São Paulo / SP - segunda-feira, 06 de dezembro de 2021

Psiquiatra?

Quando procurar um psiquiatra?

 

Esta questão é uma dúvida muito comum da maioria da população, uma vez que a psiquiatria vem, vagarosamente, vencendo os obstáculos do preconceitos, facilitando o acesso ao tratamento e assim, proporcionando alívio do sofrimento psíquico e restituição da qualidade de vida perdida na vigência de perturbação mental.

 

Cada vez mais, com o aumento de profissionais da área, palestras informativas, integração dos serviços de saúde e contribuição da mídia, sabe-se  que a indicação de tratamento psiquiátrico não é destinado aos "LOUCOS". Atualmente, admite-se que o homem é um ser BIOPSICOSSOCIAL, uma vez que é afetado globalmente por todos os aspectos inerentes á sua complexa forma de organização.

 

Pode-se exemplificar através de um homem adulto que passa a não se lembrar de todas as suas atividades, com prejuízo, principalmente no trabalho, após uma crise conjugal. Considerando que esta crise persista além de 02 semanas, com persistência do prejuízo de atenção, concentração, memória, irritabilidade e novos sintomas como alterações do hábito alimentar, do sono, da disposição para fazer suas atividades, do humor e do interesse pelo que, anteriormente o agradava, observa-se um nítido prejuízo e sofrimento que atrapalham o andamento habitual da vida do indivíduo, comprometendo seu cotidiano, qualidade de vida, relações pessoais e profissionais e sua saúde física. Lembrando que o estado emocional relaciona-se com o sistema imunológico e seu comprometimento pode reduzir nossas defesas.

Imagine quais são as escolhas que este homem pode fazer: buscar ajuda e tratamento psiquiátrico com um médico especializado que saberá orientá-lo a fim de definir o melhor projeto terapêutico ou acreditar que faz parte da vida este sofrimento e considerar que, não sendo louco, jamais procurará um psiquiatra.

 

Considero importante, também, informar que há casos, em que o profissional indicado é o psiquiatra quando um indivíduo apresenta modificação significativa do comportamento, que atrapalha suas atividades habituais e ele não se dá conta, ou seja, perdeu o julgamento crítico sobre si mesmo. Nestes casos, são os familiares ou amigos que marcam a consulta.

 

Muitos casos com sofrimento mental começam na infância ou adolescência e a apresentação de Psiquiatria da Infância e Adolescência exemplifica mais detalhadamente a importância do tratamento precoce em indivíduos que estão em desenvolvimento.

 

Resumo da indicações para procurar um Psiquiatra:

1- Sofrimento mental que atrapalha a vida.

2- Mudança de comportamento significativa.

3- Percepção de familiares de que houve mudança de comportamento grave que pode comprometer a vida do indivíduo.


Consulte o Conselho Regional de Medicina sobre o profissional que escolher:

https://www.cremesp.org.br/